fbpx
Abr 12
"Good Design is Good Business - Thomas J. Watson"

O que é um designer e o seu papel?

No nosso dia-a-dia estamos sempre a encontrar problemas para resolver.
Quando a resolução do problema exige criatividade, técnica, “bom gosto” estético estamos a falar de uma situação que será resolvida por um designer.
O design no mundo das empresas e das marcas permite criar uma estratégia com o intuito de influenciar o público-alvo em relação a um produto ou serviço, despertando a sua curiosidade ou o seu desejo para uma possível compra.

Um conceito omnipresente

Design” é uma palavra inglesa que se espalhou por todo o mundo, levando consigo um significado que toca a vida de todos nós, todos os dias. Rodeia-nos nos objetos que utilizamos, nos interfaces com que acedemos a mecanismos complexos, nos espaços que frequentamos, nas roupas que vestimos, nas ferramentas com que trabalhamos, nos suportes em que comunicamos…. Em suma: o design está presente e condiciona as nossas vidas, mesmo que não reparemos especialmente nele. Além de que, no limite, tem o poder de permitir ou limitar o nosso acesso a tudo isto.

Thomas J. Watson, o lendário líder da IBM, chamou a atenção para a funcionalidade do design ao defender que deve refletir os aspetos práticos e estéticos de um negócio mas, acima de tudo, deve servir as pessoas.
O seu filho e sucessor na liderança da empresa, Thomas Watson Jr., herdou também a sua linha de pensamento e, numa palestra na Universidade da Pensilvânia, em 1973, proferiu uma frase que ficaria para a posteridade:

“Good design is good business.”

Ou seja, o bom design é essencial para um negócio bem sucedido. Sem dúvida.

A arte de resolver problemas complicados com soluções simples

Brainstorming para projeto de DesignA função do design é resolver problemas.

Na prática, a função do design é resolver problemas, através de formas que aliam a estética à funcionalidade e, de preferência, com uma utilização intuitiva. Este conceito aplica-se às diferentes áreas do design, nomeadamente aquelas em que eu própria trabalho: web design, design gráfico e design editorial.

Seja um website, um objeto ou um rótulo de um produto, existe uma função para tudo aquilo que nós, designers, criamos. Mesmo que esta função seja puramente decorativa. Mas em regra vai muito mais além. O design de um website, por exemplo, permite aceder a informação, a uma loja ou a uma experiência sensorial, enquanto a função de um rótulo será fornecer informação e passar uma determinada imagem ao consumidor. Pretende criar nele um impacto positivo e convidativo e, por norma, tem em vista uma aquisição do produto.

“Design is a funny word. Some people think design means how it looks. But of course, if you dig deeper, it’s really how it works.”
Steve Jobs (Apple)

O design começa na pesquisa

Pesquisa para um projeto de DesignPesquisa num projeto de Design.

Qualquer produto que seja conceptualizado, produzido e comercializado destina-se a dar resposta a necessidades de pessoas que serão, potencialmente, os seus clientes. E, a par da funcionalidade, outro dos princípios sagrados do design é ser agradável à vista. Assim, o “bom design” enaltecido por Thomas Watson Jr. alia ambos estes aspetos, e com isso satisfaz e cativa os consumidores.

Na prática, o trabalho do designer começa no momento em que surge um problema ou necessidade. Mas, para criar uma resposta eficaz, há que conhecer todo um vasto contexto. A que necessidade o produto vai dar resposta? A quem se destina? Que características ou limitações têm os seus futuros utilizadores? Onde vai ser comercializado? Que outras opções concorrentes existem? Que custo deverá ter? São inúmeras as questões a que é preciso considerar, para criar «bom design». E, como não podia deixar de ser, é fundamental o input do cliente para responder a todas estas questões.

A exigente tarefa de criar design universal

Planeamento de um trabalho de DesignPlaneamento de um trabalho de Design.

Como vemos, o planeamento de um trabalho de design é exaustivo e minucioso. Exige que o profissional coloque de lado as suas ideias pré concebidas e investigue a fundo diversas questões. Obriga a que mobilize a sua empatia e se coloque no lugar de quem vai utilizar o produto. E é ainda imperativo que consiga pensar de forma transversal. Só assim o resultado final poderá adaptar-se a todas as plataformas e circunstâncias em que o produto poderá vir a ser utilizado.

Um website, por exemplo, terá de ser responsivo ao ponto de ser acedido num computador, telemóvel ou tablet; um logótipo tanto pode ser aplicado em envelopes como num perfil de rede social; uma maçaneta da porta deverá ser utilizada por pessoas de qualquer estatura, e inclusive pelas que têm dificuldade na apreensão de objetos. O “bom design” não esquece a usabilidade universal.

As múltiplas faces do design

O Design aplicado no sector das embalagens de produto.O Design aplicado no sector das embalagens de produto.

A designer Jessica Helfand, fundadora do Design Observer e autora de várias obras, na sua definição de design gráfico, chama a atenção para a herança cultural que partilhamos.

Design gráfico é uma linguagem visual que une harmonia e equilíbrio, cor e luz, escala e tensão, forma e conteúdo. Mas é também uma linguagem idiomática, uma linguagem de símbolos e alusões, de referências culturais e inferências percetuais que desafiam tanto o intelecto quanto o olhar.

De facto, a linguagem do design incorpora e reflete o universo cognitivo comum a uma determinada cultura. E esta ideia aplica-se a todas as vertentes do design. E são inúmeras estas vertentes. Trabalhamos nas áreas mais diversas, desde a moda à arquitetura, dos objetos ao software, passando, claro, pelas áreas que desenvolvo, e que já referi: web design, design gráfico e design editorial.

O “bom” design ao serviço dos bons negócios

Projetos web e design editorial - O que é um designer e o seu papel?Design em projetos web e design editorial.

No que toca ao web design, reconhecidamente é uma necessidade de qualquer negócio nos dias de hoje. Afinal, comunicamos, trabalhamos, compramos e vendemos, e até convivemos através do mundo digital. E é fácil perceber que a máxima defendida por Thomas Watson Jr. – “Good design is good business” – se aplica como uma luva: o bom (ou mau) web design pode fazer toda a diferença junto do potencial cliente.

Quando desenvolvo um site, uma landing page, uma loja online ou uma newsletter, nunca posso esquecer o objetivo deste tipo de produto. Deve cativar e manter a atenção do utilizador, ser funcional, e ainda ser intuitivo e adaptável às várias plataformas e utilizadores. Por fim, em última análise, deve contribuir para gerar vendas.

Outro aspeto essencial a ter em conta no web design é a forma como se interage com a tecnologia e, mais do que isso, a sensação que essa interação provoca no utilizador. Na base, é o designer, com o seu trabalho, que define esta interatividade e também a qualidade desta experiência.

Relativamente ao design gráfico e editorial, são igualmente essenciais para a comunicação eficaz de qualquer negócio. É preciso ter uma boa imagem de marca, e materiais gráficos que transmitam mensagens e conteúdos de forma clara e imediata.

Na prática, apostar num profissional de design competente e dedicado pode fazer toda a diferença no sucesso ou insucesso de um negócio. Seja ele individual ou corporativo. Mas, mais do que uma aposta, recorrer a um designer – um “bom” designer – é acima de tudo um investimento.

“If you think good design is expensive, you should look at the cost of bad design.”
Ralph Speth (JAGUAR LAND ROVER)

About The Author

Quem sou eu? Olá, o meu nome é Ana Margarida Mota e sou web & graphic designer. Sou uma pessoa pró-ativa e organizada, com um alto senso de responsabilidade e uma rigorosa ética de trabalho, sempre de forma comprometida e motivada.

Leave a reply

Your email address will not be published.