Web & Graphic Designer | [email protected] | (+351) 918 472 525 - chamada para rede móvel nacional
Out 12
Contratar uma agência de (web)design ou um profissional freelancer?

Contratar uma agência de (web)design ou um profissional freelancer?

Na altura de contratar um serviço de Web Design ou de Design, devemos optar por uma agência, ou por um profissional freelancer? Descubra as diferenças, e escolha a solução que mais lhe convém.

Nota: Artigo escrito por Dora Alexandre, Press Hub

Agência ou freelancer – qual a melhor opção?

Freelancer Designer - Ana Margarida Mota LisboaAgência ou freelancer – qual a melhor opção?

I nvariavelmente, quem é responsável por um negócio, a dada altura, vai precisar dos serviços de um profissional de web design e/ou de design. Com efeito, seja para criar um logótipo, materiais gráficos para uma campanha de publicidade, um website ou uma loja online, o mais certo é que esta necessidade surja. E em regra, tratando-se de uma necessidade pontual, as empresas preferem contratar estes serviços em regime de outsourcing.

Assim sendo, a fase seguinte é selecionar um profissional que possa prestar este tipo de serviço. Nesta altura, caso não conheça nenhum web designer ou designer, o mais certo é deparar-se com um dilema: devo contratar uma agência, ou um profissional liberal que trabalhe em regime de freelancer?

Em regra, esta questão coloca-se sobretudo ao nível das Pequenas e Médias Empresas (PME), startups e profissionais liberais com negócio próprio.

Justamente, neste artigo, vamos esclarecer os prós e contras de cada uma das opções – agência, ou freelancer? A partir daí, poderá perceber qual a melhor opção para si.

Uma questão de estrutura

Freelancer a desenvolver processo criativo para projeto web designUma questão de estrutura

Antes de mais, importa realçar que um profissional freelancer é alguém que trabalha por conta própria, e que gere o seu próprio trabalho, clientes, prazos, metodologias, etc.

A par disso, é dono do seu tempo, e escolhe o local que mais lhe convém para trabalhar. Com efeito, tanto pode ter um local de trabalho formal (espaço cowork, por exemplo), como pode prestar serviços a partir de casa, da esplanada, ou de onde mais lhe aprouver.

Por outro lado, uma agência é uma empresa oficialmente estabelecida, com uma estrutura organizada, cujos funcionários têm regras a cumprir, e desempenham diferentes funções.

Assim sendo, quando a empresa é contratada, atribui o projeto a um ou mais colaboradores – de acordo com um briefing orientador – e estes irão desempenhar o trabalho. Em regra, existe alguém que faz a ponte com o cliente, e a gestão do projeto decorre em equipa.

Desde logo, percebemos que existe uma diferença estrutural entre estas duas opções. Em consequência, estas diferenças refletem-se em vários aspetos, que o cliente deve ter em conta antes de fazer a sua opção.

A nova consciência no mundo do trabalho

Equipa de designeres a desenvolver projeto web designA nova consciência no mundo do trabalho

Nos dias que correm, e após a pandemia, todos ficámos a conhecer as vantagens do teletrabalho. Mais do que isso, percebemos como é importante podermos gerir o nosso tempo, de forma a conciliar melhor a vida privada com a rotina laboral.

Ao mesmo tempo, têm vindo a emergir movimentos sociais como o FIRE (Financial Independence, Retire Early), o Quiet Quitting (não dar aos empregadores mais dedicação e tempo do que o estritamente contratado), entre outros.

No contexto atual, em que muitos de nós – e em particular as novas gerações – valorizamos mais a liberdade do que as gerações anteriores, o trabalho independente ganhou nova dinâmica em diferentes áreas.

Nomeadamente, é o caso do Web Design, e do Design, e é também o meu caso, enquanto profissional liberal. Afinal, tendo a formação, os conhecimentos e as ferramentas adequadas, é perfeitamente possível criar projetos nestas áreas dispensando qualquer estrutura empresarial por trás.

Deste modo, se tiver de optar entre contratar uma agência ou um serviço em regime de outsourcing, vale a pena avaliar aquilo de que efetivamente precisa, e também qual o perfil de profissional com que deseja trabalhar.

Afinal, cada uma destas opções tem aspetos inerentes, no que toca ao fator humano.

Uma questão de atitude

Freelancer a trabalhar no computadorUma questão de atitude

Desde logo, é inevitável que quem aposta numa carreira a solo tem, necessariamente, níveis elevados de resiliência, organização e automotivação. Além disso, terá obrigatoriamente de aperfeiçoar skills para garantir a competitividade, a boa relação com os clientes, a atualização de conhecimentos, etc.

Por outro lado, um profissional independente lida com os clientes de forma mais direta e personalizada e, como gere o próprio tempo, também pode ser mais flexível com os prazos de entrega.

Ou seja, ao escolher um profissional liberal com boa reputação no mercado, estará, muito provavelmente, a escolher alguém com este perfil. Em suma, alguém que aposta em si próprio, e que tem confiança suficiente para assumir o risco de se sustentar sem depender de um empregador. Sem dúvida, para ter sucesso, tem de garantir um bom trabalho e uma boa reputação no mercado.

Naturalmente, não quero com isto dizer que quem trabalha por conta de outrem seja indolente, pouco motivado ou apenas se limite a desempenhar as tarefas que lhe são atribuídas.

Simplesmente, um profissional liberal dificilmente se poderá dar ao luxo de cair nesse registo.

Por último, mas não menos importante: avalie os custos

Profissional Freelancer OrçamentoPor último, mas não menos importante: avalie os custos

DDesde logo, uma agência onde trabalham pessoas com diferentes valências poderá, à partida, oferecer um conjunto de serviços mais alargado do que um profissional que trabalha por conta própria. Por exemplo, a redação de textos, a criação de slogans publicitários, programação, gestão de redes sociais, email marketing, marketing digital, etc.

Assim sendo, antes de mais, é importante saber exatamente de que serviços precisa, neste caso, para além do Web Design ou do Design.

Porém, se não precisa de contributos colaterais, e se tem um orçamento limitado para gastar, muito provavelmente será mais vantajoso optar por um profissional liberal. Afinal, o custo do trabalho não terá de cobrir os encargos inevitáveis em qualquer empresa com maior envergadura.

Por outro lado, o designer com quem irá trabalhar poderá perfeitamente ter os parceiros necessários para lhe oferecer, de igual forma, tais serviços. Ou seja, colegas cujas áreas se complementam, e que podem funcionar num sistema de cooperação.

Justamente, é este o meu caso. Sempre que é preciso, recorro a uma rede de parceiros que complementam o meu trabalho. Deste modo, a par dos serviços que prestoWeb Design e Redesign Web, UX & UI, Design Gráfico, etc. -, consigo oferecer aos meus clientes o serviço completo de que necessitam. Além disso, sendo também profissionais liberais, os custos dos serviços são também mais reduzidos.

No final das contas, o cliente obtém o projeto desejado, e a um menor custo.

Qual a escolha acertada?

Designer Freelancer em reunião onlineQual a escolha acertada?

Enfim, esta é uma decisão que cabe apenas ao cliente e em regra, baseia-se numa ponderação do maior retorno de qualidade pelo menor preço possível.

Eventualmente, ao contratar um profissional liberal pode deixar de ter uma estrutura hierárquica superior à qual recorrer, caso as coisas corram menos bem.

No entanto, este aspeto pode ser facilmente salvaguardado. Para isso, basta escolher cuidadosamente o profissional com quem vai trabalhar. Efetivamente, deve ser alguém de confiança, se possível indicado por alguém, e com provas dadas no que toca ao profissionalismo e à qualidade do trabalho.

Sem dúvida, encontrar um bom web designer ou designer pode ser a tarefa mais complicada, caso não conheça ninguém que trabalhe na área.

No entanto, hoje em dia existem plataformas online onde encontra perfis de profissionais, tanto de agências como independentes. Em alguns casos, pode ver o respetivo portfólio, e noutros tem acesso a referências de outras pessoas sobre eles. Nomeadamente, é o caso da Zaask, Fiverr, Upwork, LinkedIn, Indústria Criativa, Béhance ou Dribble. Em alternativa, e não menos importante, claro, o Google.

Assim sendo, pondere os fatores que são mais importantes para si, e faça a escolha mais adequada ao seu caso.

Em suma, quer escolha uma agência ou um profissional liberal como eu, garanta bons projetos, que lhe tragam muito sucesso.

Imagens:

1 – Freepik

2 – Unsplash

3 – Pixabay

4 – Pexels

5 – Google Images

Artigos relacionados

Tenho uma marca. Como definir uma estratégia de Marketing Digital e porquê?

Nos dias que correm, a internet e as redes sociais são um meio de promoção obrigatório para qualquer marca que se preze. Afinal, o mundo digital ocupa boa... saber mais →
Tendências de marketing digital para 2024

Em 2024, a inteligência artificial vai moldar o design e o marketing

Em cada início de ano, surgem novas tendências de consumo e, inevitavelmente, de comunicar com os consumidores. Assim sendo, 2024 vai trazer novidades no Marketing Digital, e também... saber mais →

About The Author

Quem sou eu? Olá, o meu nome é Ana Margarida Mota e sou web & graphic designer. Sou uma pessoa pró-ativa e organizada, com um alto senso de responsabilidade e uma rigorosa ética de trabalho, sempre de forma comprometida e motivada.